Projeto de fatura eletrónica internacional, imprescindível para empresas com atividade internacional

pt Lisboa, 27 de Abril de 2017

A faturação eletrónica difere de país para país e isto faz com que as empresas que operam internacionalmente se deparem com uma situação problemática. A questão é: como adaptar uma multinacional a cada uma das características internacionais da fatura eletrónica?

A decisão ideal passa por ter em conta todos os elementos com os quais teremos de lidar, para fazer a adaptação internacionalmente.

  1. A obrigatoriedade. Nem todos os países têm o mesmo nível de obrigatoriedade da fatura eletrónica. Em alguns países existe obrigatoriedade total, noutros estão em processo e, por último, há países que por enquanto não o exigem. Além disso, a obrigatoriedade não é sempre impulsionada da mesma forma. Enquanto que na América Latina se opta pela obrigatoriedade em todas as transações comerciais, na Europa prioritiza-se a obrigação na faturação às Administrações Públicas.
  2. Os sistemas de faturação. Enquanto que na América Latina é necessário enviar cada fatura eletrónica à entidade tributária, na Europa aposta-se por enviar informações relacionadas com a fatura. Por outro lado, cada país exige uma certificação para poder ser um emissor eletrónico, e após esta homologação, a relação com a administração pode variar dependendo do país. Em algumas ocasiões, é necessário a validação tributária de cada uma das faturas emitidas antes do poder enviar ao cliente, enquanto que, em outros, a validação é realizada por um provedor autorizado.
  3. As especificações técnicas. Campos a incluir na fatura, formatos de emissão, assinatura eletrónica, códigos a incluir, certificados ou selos digitais... Estes e muitos outros aspetos tecnológicos imprescindíveis, variam em cada um dos países.
  4. Os comprovativos eletrónicos exigidos. Nem em todos os países são obrigatórios os mesmos comprovativos eletrónicos. Faturas, vendas de bilhetes, notas de crédito e débito, CFDI e seus complementos, DANFe, confirmação de receção, guias de emissão, comprovativos de retenções, comprovativos de pagamentos, comprovativo de recebimento, registos de vendas e compras... são alguns exemplos de comprovativos que são obrigatórios em alguns países.
  5. Outros aspetos.Entre outros aspetos, pode-se destacar que a fatura eletrónica é um mecanismo que só por si abre as portas a novos canais de financiamento muito mais ágeis. Neste sentido, os governos têm estimulado normativas que facilitam às empresas financiar-se externamente. No Perú existe a fatura eletrónica negociável, no Equador a fatura eletrónica comercial negociável e, noutros países como a Colômbia o governo está a desenvolver o seu sistema de negociação de faturas eletrónicas.

A melhor solução será adoptar uma solução global de fatura eletrónica que permita adequar-se a cada um dos países e mercados e coordenar o intercâmbio de relatórios de cada filial de forma ágil, simples e em tempo real, melhorar consideravelmente a sua empresa e tornando-a muito mais competitiva, e facilitando o acesso a novos canais de financiamento.

 

Obtenham mais informações

Projeto de fatura eletrónica internacional